Mesmo que você trabalhe duro e ame o que faz, ainda corre o risco de se esgotar

Por Evinis Talon
Veja os cursos com o prof. Evinis Talon: CLIQUE AQUI

Quando estamos profundamente imersos em nosso trabalho, muitas vezes nos comprometemos com um objetivo e um padrão de qualidade. Isto é o que as pessoas querem dizer quando falam sobre “engajamento”. A pessoa não apenas trabalha muito, mas está realmente interessada no que está fazendo.

No entanto, trabalhar arduamente pode resultar em estresse, o que pode levar à desistência, mesmo que uma pessoa seja extremamente apaixonada por seu trabalho. Um estudo recente do Yale Center for Emotional Intelligence descobriu que quase uma a cada cinco pessoas altamente envolvidas com seu trabalho experimentam cansaço extremo e, consequentemente, a desistência.

Os pesquisadores realizaram uma pesquisa online para descobrir as emoções conflitantes que esse grupo sente em relação aos seus empregos – essas pessoas estão interessadas em seu trabalho, mas também estão frustradas e estressadas por isso.

Em outras palavras, existe envolvimento demais. Então, o que podemos fazer para garantir que os trabalhadores não se envolvam demais com o seu trabalho? A resposta não é apenas desenvolver programas no local de trabalho que envolvem nutrição ou meditação, advertem os pesquisadores.

“Embora saibamos que o estresse crônico não é bom para os funcionários, as iniciativas de bem-estar da empresa não são a principal maneira de responder a esse estresse”, afirma Julia Moeller, diretora do estudo, na Harvard Business Review . “Nossos dados sugerem que, embora as iniciativas de bem-estar possam ser úteis, uma alavanca muito maior é o trabalho em si”.

Os pesquisadores dividem os fatores que determinam a experiência de um trabalhador em duas categorias: recursos e demandas. Se um trabalhador tem recursos tangíveis, como tempo, dinheiro e equipamentos à sua disposição, bem como intangíveis, como empatia ou mesmo amizade de sua equipe, ele se sentirá melhor. Ele também se beneficiará de recompensas e reconhecimento pelo trabalho que realiza.

Mas, se tudo isso for combinado com um ambiente que não exige que eles trabalhem ou pensem com muita dificuldade (ou excessivamente) – mas sim um que promova o equilíbrio entre o trabalho e a vida e não envolva metas tão elevadas que são impossíveis de alcançar – a maioria dos trabalhadores prosperará.

Tradução, com adaptações, do seguinte texto (clique aqui)