5 características dos empreendedores que criam a sua própria sorte

Por Evinis Talon
Veja os cursos com o prof. Evinis Talon: CLIQUE AQUI

Fonte: tradução, com adaptações, do seguinte texto (clique aqui)

A sorte não acontece por acaso. É um encontro entre preparação e oportunidade. Se você estiver preparado quando surgir a oportunidade, terá sorte. Veja abaixo dicas para fazer disso um hábito.

Imagine sua vida profissional como uma máquina caça-níquel. O seu objetivo é fazer uma sequência de cerejas. Agora imagine que, no lugar de girar todas as opções a cada jogada, você pudesse “congelar” as cerejas já ganhas, reduzindo assim o número de variáveis necessárias para a sua vitória. Dessa forma, você teria mais chances de ter sorte, certo?

Essa metáfora é uma criação de Janice Kaplan e Barnaby Marsh. É também uma excelente representação do que pode acontecer com os empresários para que estes tenham sorte à frente de seus negócios. Para colocar as primeiras cerejas na fila – o produto certo, para o público certo, com a equipe certa – os empresários tiram proveito dos princípios da “sorte” citados pelos autores na metáfora, isto é, reduzem as variáveis necessárias para a vitória. Passam a frequentar lugares onde encontrarão boas ideias e a conviver com pessoas que poderão lhe proporcionar conexões valiosas. Eles buscam multiplicar as oportunidades.

No entanto, algumas dessas coisas se tornam mais difíceis de serem feitas à medida que o negócio se expande. Nesse momento, a sorte se torna um resultado do encontro entre o talento e o trabalho duro.

O talento e o trabalho duro são as cerejas que você pode controlar, preparando-se para as próximas oportunidades que irão ocorrer, seja aleatoriamente, seja como resultado de suas ações passadas. Enquanto você continua procurando as outras cerejas, siga as dicas abaixo para maximizar sua sorte:

Faça sua equipe de trabalho ser uma “equipe de sorte”

A melhor maneira de ter sorte como líder é treinar os seus funcionários para que eles façam com que essa “sorte” aconteça. “Se os seus funcionários tiverem oportunidades iguais ou melhores que você, toda a empresa será beneficiada”, diz Marsh. Por exemplo, os funcionários devem ser encorajados a correr riscos. Envie-os para representá-lo em conferências, feiras de negócios ou para o campo para fazer contatos. Permita que eles realizem seus próprios projetos, gerando melhores resultados.

Aumente o zoom. Diminua o zoom

A sorte acontece quando você corre atrás das oportunidades. Muitas delas estão no mundo dos negócios, onde você está mais concentrado. Mas outras, as oportunidades menores, podem estar escondidas nos pequenos detalhes do dia a dia. “Se você é um líder que sempre olha na direção mais ampla, não prestará atenção nas pequenas coisas que estão bem diante de seus olhos”, diz Kaplan. “E se você se concentrar apenas nas pequenas coisas, perderá de vista as maiores oportunidades”. Ou seja, você deve dividir sua atenção entre elas, para que não perca nenhuma de vista.

Priorize os resultados

Nem sempre a sorte vem do resultado de grandes eventos. Muitas vezes ela é o resultado da soma de vários pequenos acontecimentos. Então, pare de pensar em apenas comemorar a conquista de US$10 milhões e comece a prestar atenção em cada centavo ganho e como ele se multiplica diariamente.

Compartilhe suas ideias

Frequentemente as empresas têm grandes ideias, mas nem sempre têm condições de usá-las ou colocá-las em prática. Às vezes, deixá-las guardadas é uma boa estratégia. Outras vezes, é mais inteligente compartilhá-las com outros empreendedores. Essa é uma maneira de se tornar recíproco. “Se eu tiver uma boa ideia e não poderei usá-la, posso compartilhar com você. Isso será bom para nós dois”, diz Kaplan. “Os doadores recebem muito mais quando compartilham suas ideias”.

Seja positivo

Certifique-se de que seus funcionários se sintam valorizados. Dessa forma, eles se sentirão motivados a dar o melhor por você e pela empresa. Mantenha-se positivo e persistente para continuar trilhando o caminho das oportunidades.

“Otimismo e oportunidade”, segundo Kaplan, “são ótimos traços de um empreendedor que tem sorte”.