4 maneiras de lidar com os seus erros como um grande líder

Por Evinis Talon
Veja os cursos com o prof. Evinis Talon: CLIQUE AQUI

Fonte: tradução, com adaptações, do seguinte texto (clique aqui)

Uma forma de identificar um grande líder é observando como ele lida com os seus próprios erros. Os erros são uma maneira de distinguir um bom líder de um ótimo líder. Todos os grandes empreendedores cometem erros – ser humano significa errar de vez em quando – mas a diferença está em como você lida com essa situação. Que imagem você quer passar para os seus funcionários diante de um erro cometido?

Afinal, sua equipe estará ao seu lado quando você errar, e a forma como você irá lidar com o erro pode afetar o seu relacionamento e a confiança que seus funcionários depositam em você, por isso é importante saber como lidar com esse tipo de situação.

Aqui estão quatro maneiras simples – mas impressionantes – de demonstrar uma grande liderança quando você cometer um erro.

1. Reconheça os seus erros

Nunca ignore seus erros ou culpe outras pessoas por alguma coisa que saiu errada. Se você estragou tudo, admita, reconheça sua responsabilidade e siga em frente. Líderes inseguros geralmente têm medo de, ao fazerem isso, parecem fracos. Todavia, não assumir seus erros pode ser pior. A vulnerabilidade pode ser um sinal de força e, dessa forma, você ganha o respeito daqueles que você lidera, aparentando ser mais “humano”.

2. Aprenda com seus erros

Quando você aprende com os seus erros, a chance de repeti-los é menor. Como diz aquele velho ditado: “quando você repete um erro, não é mais um erro; é uma decisão”. Ser um grande líder, portanto, envolve assumir riscos, experimentar coisas novas, superar seus limites.

Os melhores empreendedores sabem que a criatividade significa quebrar algumas regras, cometer alguns erros e, o mais importante, aprender ao longo do caminho. Nossos erros costumam estar entre os maiores professores, e compreendê-los é uma das melhores formas de aprender. Assim, permita-se cometer alguns erros, mas aprenda com eles.

3. Ensine os outros para que não cometam os mesmos erros

Muitas vezes passamos por momentos em nossa vida em que nos sentimos fracos, mas esses momentos podem ser aqueles em que estamos mais poderosos. São nesses momentos que afirmamos e reafirmamos quem somos e naquilo que acreditamos, assim como fazemos escolhas que constroem nossas experiências, as boas e as más.

Quando você cometer algum erro, ensine aos outros o que você aprendeu. Dessa forma, você estabelece conexões e confiança. Grandes líderes também são grandes professores, mentores e guias que nos mostram o melhor caminho depois de já o terem trilhado.

4. Não desista!

O sucesso está diretamente ligado à ação. Pessoas de sucesso nunca param e nunca desistem, mesmo diante de um fracasso.

Aprenda a usar os seus erros como um impulso, um ponto de partida de seu passado. Você não precisa simplesmente esquecer os seus erros, mas não deixe que eles o derrubem. Levante-se e continue o seu caminho atrás de seus objetivos.

Todos nós estamos fadados a cometer alguns erros, mas quando você aprende a lidar bem com eles, eles podem ajudá-lo a ser um líder e uma pessoa melhor.

Comentários do prof. Evinis Talon:

Em qualquer forma de empreendedorismo, sobretudo na Advocacia, é fundamental avaliar o passado e ver o que pode ser corrigido.

Recomendo que, no final do dia, pense no que poderia ter feito diferente: algo que foi dito, um comportamento em determinada situação, a inércia quanto ao plano de ação etc.

No Brasil, o erro não é tão valorizado quanto no Vale do Silício (EUA), em que um fracasso é visto como uma forma de corrigir as falhas. Aliás, nós, brasileiros, temos certo preconceito quanto ao erro. Trata-se de um problema cultural que impede a evolução.

Precisamos refletir sobre os erros e corrigir as falhas o mais rápido possível.

Cito, por exemplo, uma situação pessoal.

Quando comecei a advogar, pensava em ser clínico geral. Contudo, no início, não obtive os resultados desejados. Resolvi, então, tocar nessa ferida e avaliar se seria melhor continuar como generalista ou atuar de forma especializada. Escolhi a segunda opção. Atualmente, não apenas reconheço o erro (ter atuado como generalista no início), mas também sou inflexível quanto a não cair nesse equívoco novamente, razão pela qual recuso qualquer proposta em outra área, por mais satisfatória que pareça ser. Além disso, seguindo a dica nº 3 (acima), repasso essa lição para todos os meus leitores, de modo que não precisem cometer esse erro. Noutras palavras, tento fazer com que aprendam com o meu erro.